7 Livros para Ler e Melhorar Como Escritor

com Nenhum comentário

Final do ano tá chegando, e é boa prática dar uma olhada no que você queria fazer esse ano, no que deu certo e no que não deu. Se você lê os artigos do nosso site, acredito que há uma chance bem boa de você estar querendo aprimorar a sua escrita. E, como já falamos aqui, uma boa forma de fazer isso é ler muito.

 

Mas só ler não é tão proveitoso. A ideia é ler tentando compreender, ler de uma forma bastante crítica. Analisar o que o autor está fazendo, o que funciona e o que não funciona, e por quê.

 

Um bom lugar para começar é procurar obras no gênero que você pretende escrever. Tem um grande projeto de fantasia que quer escrever em 2018? Leia as coisas sendo lançadas, o mais recente. Se aquela sua ideia não é tão original assim, é melhor descobrir isso o mais rápido possível.

 

Mas de vez em quando o problema é mais específico. Quando estamos com dificuldade em desenvolver uma ideia ou técnica é boa prática procurar algum livro que faça especificamente aquilo, e usar o exemplo (bom ou ruim) como guia.

 

Voltando ao que eu falei antes, estamos no final do ano, uma boa hora pra pensar em metas, objetivos, e aprendizados para o ano que vem. Pensando nisso, separei aqui algumas sugestões de livros para ler e aprender alguma coisa, pensando nos problemas específicos que você pode ter. Então, baseado no que você quiser melhorar, dá uma olhada na minha sugestão:

 

Motivação para escrever


Esse é mais indireto, não é tão relacionado a técnica ou a narrativa (é um livro de não ficção!), mas ainda acho extremamente útil para aqueles com dúvidas existenciais sobre escrever. E as dúvidas vêm a todos nós, num momento ou outro, seja você um iniciante ou um profissional.

 

O livro que recomendo é o Sobre a Escrita, do Stephen King. Mencionei ele aqui uma dúzia de vezes já, e realmente acredito que é uma grande leitura, mesmo que você não goste do trabalho do King. É recheado de boas dicas, é brutalmente honesto, e te faz pensar no que você realmente quer da escrita. E saber o que você quer da escrita é um passo gigantesco não só para melhorar seu trabalho, mas para se sentir mais tranquilo com a vida.

 

Melhorar seu Estilo


É muito difícil, principalmente, avaliar se o modo que você escreve é bom. Pra nós pode parecer natural exprimir as ideias de uma certa maneira, mas será que os outros vão entender? É muito importante criar uma noção de estilo, de como escrever bem, em termos técnicos, uso de palavras, estrutura de frases e tal.

 

Eu já falei um pouco do Elements of Style, mas agora recomendo outro livro, bastante interessante, sobre o tema. o Guia de Escrita, de Steven Pinker, é uma aproximação bastante crítica sobre a escrita, com grandes exemplos e explicações claras. Uma leitura muito válida.

 

Escrever de Forma Enxuta e Direta


Ok, falei muito de não ficção, que não é exatamente o que eu disse lá em cima, sobre analisar a história de forma crítica. Vamos então para uma obra de ficção.

 

Existem basicamente duas vertentes de escrever prosa. Uma delas é escrever de uma forma bastante clara, sem rodeios, sem complicações, só a forma mais clara, direta e enxuta possível, que não distraia o leitor. Escrever prosa sem poesia, sem beleza, só sendo direto e contando a sua história.

 

E um dos autores que faz isso lindamente é Isaac Asimov, em praticamente todos os seus livros. Recomendo a leitura da Fundação, talvez sua magnum opus, que é escrita dessa forma direta, rápida e fácil, que simplesmente flui. É um ótimo estudo de caso para entender como escrever dessa forma, e também em construção de ficção científica, explorar conceitos interessantes, exposição… É, dá pra aprender bastante com esse livro.

 

Escrever de Forma Bela e Poética


Falei ali em cima das duas vertentes de escrever prosa: esta é a segunda. Embelezar o texto, criar descrições que por si só valem a leitura, de tão bonitas, singelas, tocantes.

 

Isso muitas vezes é um tiro no pé. É fácil se perder nisso, forçando poesia ruim a cada parágrafo, e basicamente afastando o leitor do seu texto. É difícil fazer isso bem, sem deixar forçado, e distrair o leitor da sua história.

 

Mas um livro que faz isso de forma excepcional é O Nome do Vento, de Patrick Rothfuss. Vale a leitura pela bela prosa, mas também por provavelmente ser o livro de fantasia mais importante do novo milênio. Se você escreve fantasia, eu diria que é leitura praticamente mandatória.

 

Criar um Mundo Complexo e Expô-lo Bem


Andei falando muito sobre exposição nas últimas semanas, então é interessante ver um exemplo prático. Criar um mundo complexo já é difícil; mais difícil ainda é expô-lo de uma maneira interessante, fluida, não maçante.

 

E um excelente exemplo disso é Mistborn, de Brandon Sanderson. A estrutura do mundo vai sendo criada aos poucos, cuidadosamente, sem deixar o leitor saturado de explicações. O ritmo é ótimo, e é também um bom estudo de caso em personagens complexos e cinzas, sem um mocinho ou bandido bem definido.

 

Escrever Personagens Convincentes


Personagens são sempre importantes, então é lógico que vale a pena pensar a respeito, e estudar como deixar a personalidade deles mais presente, mais diferente e única. E um excelente exemplo disso é Dias Perfeitos, de Raphael Montes.

 

O livro é um suspense poderoso, desse que gruda na sua cabeça e não sai mais até você terminar, e é sustentado muito pela excelente voz do protagonista. Vale o estudo de caso, muito também por ter sido escrito em português, diferente de todos os outros livros desta lista.

 

Escrever Fora de uma Fórmula


Talvez você fique muito preocupado com estrutura. Preocupa-se em não estar seguindo a jornada do herói, ou a estrutura de três atos… E fica confuso, desmotivado, achando que não dá pra fazer uma história que não segue essas coisas.

 

Então eu te digo pra dar uma lida em Jonathan Strange & Mr. Norrell. Eu lembro de ter começado a ler esse livro e ter realmente gostado, aí eu fui contar pra alguém por que era bom… E não consegui direito. É um desses livros sem antagonista, sem um conflito fácil de explicar, sem MacGuffins, e por boa parte da história parece que nada está acontecendo. E ainda assim é excelente. Vale a leitura por tantos aspectos que não consigo listar aqui.

 


 

Esses são só alguns dos livros que li recentemente e me ajudaram a repensar algo sobre a minha escrita. Todo livro tem algo a te ensinar, seja bom ou ruim. Depende de você dar a ele uma chance de fazer isso.

E aí, Ficcionado, aprendeu algo com algum livro este ano?

Seguir Thiago Loriggio:

Nascido em Floripa, graduando em engenharia mecânica (um curso que claramente tem grande foco em contar histórias), criativo inconsolável. Tem poucas coisas que Thiago gosta mais do que bolar alguma coisa, seja ela uma história, um projeto, um jogo, uma biografia para rodapé de site. Quando não está rabiscando no seu caderno quadriculado, anotando ideias, está lendo, jogando algo, ouvindo gêneros conflitantes de música (de The Cribs a Nujabes a Bach numa playlist só), ou percebendo que tem interesses demais. Tem um prazer especial em escrever, analisar coisas, e falar de si na terceira pessoa.Conheça o trabalho dele