Como Preparar o seu Livro para Autopublicação (parte 1)

com Nenhum comentário

Então, além de terminar a sua história, você já tomou outro passo importante: decidiu publicá-la. Muito bom! Você já decidiu inclusive em qual plataforma você quer colocá-la, dentre as várias disponíveis online, e falta só… O que falta, exatamente? É só colocar o arquivo inteiro do Word na Amazon e correr pro abraço? Não! Quer dizer, talvez, depende do que você já fez…

 

No artigo de hoje, Ficcionado, vamos dar uma olhada no que você precisa fazer antes de autopublicar o seu livro!

 

Estes dois artigos serão focados principalmente em publicação de uma vez, tipo colocando na Amazon ou no Kobo, ou ainda até montando seu próprio epub e disponibilizando pelo seu site pessoal ou coisa parecida. Se você for colocar a sua história no Wattpad ou no Sweek, é bem mais simples: dá pra basicamente só publicar lá, pedaço a pedaço, sem se preocupar muito com o que está sendo dito aqui.

 

Enfim, mãos à obra!

Entretanto, antes: Comentários sobre Ebooks


Uma coisa que a gente com certeza não fica acostumado a fazer, usando o Word pra trabalhos de escola ou escrevendo e-mails, é pensar em como funciona, exatamente, um ebook. Por ebook estou falando especificamente de arquivos no formato mobi, epub, coisa pra ser lida em leitores dedicados, e não um arquivo em pdf ou em doc.

 

A história aqui é que, basicamente, boa parte da formatação simplesmente não importa.

 

Como assim? Tá maluco?

 

Pensa bem: dá pra mudar o tamanho da fonte no próprio Kindle. Dá pra mudar o tipo da fonte. Ou seja, se você estiver montando um ebook a partir do seu arquivo no Word, no Scrivener, ou onde quer que seja, a fonte e o tamanho dela simplesmente não importam. Você pode escrever do jeito que quiser. O seu arquivo original inteiro pode ter sido escrito em Comic Sans tamanho 16 e cor de rosa, não precisa mudar tudo. Não faz diferença. Isso tudo perde a importância quando o arquivo é transformado em um ebook.

 

E alinhamento?

 

Alinhamento é um caso um pouco diferente. Como já mencionei, recomendo usar alinhamento à esquerda enquanto escrevendo, fica mais fácil de notar erros no texto. Mas na hora de ler é legal ter um texto justificado, cada parágrafo sendo um grande bloco regular de texto. Mas texto justificado tem o problema de criar espaços grandes pra compensar a diferença de tamanho nas palavras, o que fica bem esquisito.

 

É só fazer Hifenização, não é?

 

Bom… Mais ou menos. Pra quem não sabe, a hifenização que eu menciono aqui é quebrar as palavras no final das frases com hifens. Que nem você faz quando está escrevendo à mão, sabe? Assim o espaçamento de um texto justificado não fica esquisito, já que uma palavra grande pode ser quebrada em duas.

 

Existem vários softwares que fazem hifenização (inclusive o bom e velho Word), mas essa é outra coisa que pode simplesmente sumir quando você transforma o arquivo em um ebook. De novo, quando você muda o tamanho da fonte, os parágrafos mudam totalmente, e toda a hifenação feita anteriormente tem que se adaptar a isso.

 

Na minha experiência trabalhando com isso, alguns lugares fazem hifenação sem você nem pedir. A Amazon, por exemplo, hifeniza os ebooks enviados pra ela automaticamente. É um tanto esquisito: depois de submeter o livro, baixando a amostra gerada, ela vem sem hifenização. Mas quando o livro fica disponível para compra na loja, ele é hifenizado!

 

Acho que a conclusão é não se preocupar muito com hifenação; no final das contas, quem acaba lidando com isso é o software que vai ler o seu ebook, não o software que vai criar o arquivo.

 

Mas há alguns casos que o alinhamento ainda importa (tipo alguns e-readers mais velhos, que não hifenizam automaticamente), então, só por precaução, na hora de fazer o seu ebook justifique o texto todo.

 

Ok (ufa!), hora de fechar esse parêntesis. Agora, antes de começar, tem outra etapa que você deve considerar:

Registro na Biblioteca Nacional


Isso não é um pré-requisito pra nada, na maioria das vezes, mas é um passo interessante. Registrar uma obra na biblioteca nacional é simples e barato (é só preencher uns formulários, imprimir e rubricar a obra toda, imprimir uns documentos, e pagar a taxa de 20 reais), apesar de poder levar um tempo considerável. É um bom jeito de se proteger contra plágio e problemas de roubo de propriedade intelectual.

 

Para fazer o registro, é só procurar o escritório de direitos autorais da sua cidade ou enviar diretamente para a biblioteca nacional. O site da BN tem instruções bem fáceis de seguir.

 

Não é necessário se preocupar muito em ter o livro 100% pronto antes desta etapa: um registro de uma obra ainda vale caso ela tenha sido levemente revisada ou modificada, desde que seja, essencialmente, a mesma obra.

 

Tendo isso em mente, é hora de passar para outra dica muito importante:

A Regra de Ouro:


Leia as instruções que o serviço dá. A Amazon, por exemplo, tem a sua própria página de instruções sobre formatar livros para publicação . Então, antes de colocar seu livro na plataforma que seja, leia atentamente as instruções que eles dão. Algumas regras valem para todos, mas cada plataforma pode ter as suas peculiaridades, de forma que esta etapa é imprescindível.

 

Tendo tudo isso em mente, dá pra começar a trabalhar nas partes do seu livro que não envolvem a história.

 


 

Na continuação deste artigo, falamos sobre o as primeiras páginas do seu livro, tocando em assuntos como ISBN, ficha catalográfica, índice, e mais um pouquinho sobre formatação.

Redes Sociais:

Nascido em Floripa, graduando em engenharia mecânica (um curso que claramente tem grande foco em contar histórias), criativo inconsolável. Tem poucas coisas que Thiago gosta mais do que bolar alguma coisa, seja ela uma história, um projeto, um jogo, uma biografia para rodapé de site. Quando não está rabiscando no seu caderno quadriculado, anotando ideias, está lendo, jogando algo, ouvindo gêneros conflitantes de música (de The Cribs a Nujabes a Bach numa playlist só), ou percebendo que tem interesses demais. Tem um prazer especial em escrever, analisar coisas, e falar de si na terceira pessoa.Conheça o trabalho dele