Pilares de um Bom Começo de Livro

com Nenhum comentário

O começo de um livro é a parte que fará alguém comprá-lo.

 

Comprar pode ser realmente gastar dinheiro, ficar convencido que aquele livro que você folheou na livraria e leu as primeiras páginas vale um pedaço do seu salário. Pode significar acreditar que vale a pena lançá-lo, caso você trabalhe em uma editora. Ou pode significar somente dedicar seu tempo a ele, convencer-se que aquela história vai cumprir o que prometeu.

 

É meio complicado afirmar que o começo é a parte mais importante da sua história, mas, bom, se você está preocupado com alguma dessas situações que citei ali em cima — se você vai vender, se vão ler seu livro até o final — é uma boa ideia certificar-se que seu começo está bom.

 

E como fazer isso? Juntei aqui o que considero os pilares mais básicos de um bom começo. As coisas que não podem faltar. Bom, vamos pelo começo:

 

Revisão e Polimento


A primeira página do seu livro tem que ser perfeita. Não digo em termos de prosa, de ser a coisa mais bonita do mundo, mais revolucionária; estou falando de um ideal, bem objetivo, de perfeição. Ela não pode ter nenhum erro de digitação. Não pode ter nenhum erro gramatical. Não pode ter nenhuma frase ruim, nenhuma ambiguidade, nenhum ponto que possa ser cortado.

 

As primeiras páginas são a introdução que o escritor está fazendo ao leitor. É hora de convencê-lo que você sabe o que está fazendo, que você é meticuloso e atencioso com a sua obra. Que você leva seu trabalho a sério. Se um leitor abrir o seu livro e encontrar um erro na primeira página, mesmo que aquele seja o único erro do seu livro inteiro, ele não vai saber disso. Ele vai assumir que, se há um erro logo ali, haverá outros, em todos os lugares. E, se o escritor deixa algo assim passar, quem garante que ele sabe o que está fazendo? Que ele se importa com aquela obra? E, se o próprio escritor não se importa, por que você deveria?

 

Então, por mais óbvio que isso possa soar, pelo amor de Deus, preocupe-se com a revisão das suas primeiras páginas. Releia-as mais vezes que o resto. Erros passam de vez em quando, até mesmo em obras publicadas por grandes editoras. Acontece. Mas tenha certeza que não vai acontecer logo no começo.

 

Isso também não quer dizer que você precisa tornar as primeiras páginas a melhor coisa do seu livro. Bom, se você fizer isso suas chances de vendê-lo vão aumentar, sim, mas isso pode ser um tiro no pé para a sua carreira futura. Imagine que o leitor leia seu primeiro capítulo, muito empolgado, mas depois vá aos poucos percebendo que o resto do livro não segue aquela qualidade. Enfim, isso é um tópico pra outro dia. Voltemos pro começo:

 

 

Preocupe-se com as Promessas


As histórias criam expectativas no leitor. Algumas são como promessas que o escritor faz. “Tá vendo aquela espada mágica que eu não expliquei direito? Eventualmente o que ela faz será revelado, e vai ser incrível!” “Sabe esse personagem que todo mundo fica dizendo que é muito bom com o rifle? Quando chegar a hora, ele vai demonstrar isso!”

 

Então preocupe-se com as promessas que o seu livro está fazendo. Se o seu começo for engraçado, certifique-se que o resto do livro também é. Se o seu livro tiver elementos sobrenaturais, é interessante deixar isso claro rápido, para o leitor não se sentir enganado. Crie as expectativas que se encaixam com o resto da sua história.

 

É uma história de aventura? Comece com uma aventura! Mostre o que o seu livro pode oferecer. É um livro de mistério? Comece fazendo perguntas interessantes, prometendo ao leitor que elas serão respondidas. O início é a hora de prender o leitor na sua história, e uma das formas de se fazer isso é, através da história, prometer um futuro interessante. Muitas promessas são, também, ganchos.

 

Pode ser difícil entender exatamente o que é uma promessa. Às vezes um comentário perdido na prosa pode ser encarado como uma grande promessa, que vá decepcionar os leitores. Ou você pode estar fazendo promessas propositalmente, mas de forma tão sutil que os leitores não pegam.

 

Essa é uma hora muito boa para usar as opiniões de leitores beta. Achou que aquela parte, que é o clímax da sua história, não teve tanto impacto? Bom, talvez você não tenha feito as promessas certas. Os leitores ficaram decepcionados com algo que não aconteceu? Talvez você tenha, sem querer, prometido algo.

 

O começo do seu livro é a parte onde mais promessas serão feitas. Mais expectativas serão criadas, para serem cumpridas depois. E a primeira promessa que o seu livro faz está logo na primeira frase.

 

A Primeira Frase


Eu não acho que seja necessário ter uma frase de abertura espetacular, inovadora, que, de uma vez, já sintetize tudo que a sua história signifique. Se você tem algo assim, ótimo! Mas se não tem, bom, não esquenta demais com isso. Bons livros começam com frases mornas. O Hobbit começa com um ótimo “Num buraco no chão vivia um Hobbit”, enquanto o Senhor dos Anéis começa com um… Alguém lembra?

 

Isso não significa, entretanto, que você pode relaxar com a primeira frase. É o primeiro contato do leitor com o seu livro! É o primeiro sorriso e aperto de mão que você dá ao conhecer alguém. A primeira impressão fica.

 

Então, por mais que você não precise necessariamente reinventar a roda, dê a devida importância à primeira frase.

 

Pense com cuidado. Não precisa ser elaborada demais, ou simples demais, poética ou vaga. Ela tem que concordar com o resto da sua história. Dar uma primeira impressão correta. É um suspense? Comece com algo sombrio. É uma fantasia épica? Comece com uma frase longa e pomposa, como o reino da sua história.

 

E, também importante, dê um tempo pra ela. Um erro que pode ser cometido é achar que a primeira frase do seu livro deve ser a primeira coisa escrita. Aí o cara senta na frente da tela e fica pensando, fica aperfeiçoando aquele começo, a primeira frase… E não escreve quase nada.

 

Não dê bola pra isso. Começando o seu projeto escreva uma frase que vem à mente, que tenha a ver com a sua história e com o que está acontecendo, e depois avalie se ela é adequada ou não. Isso pode depender de todo o desenrolar do seu livro, como, bom, todo o começo. Como sempre, não subestime o poder da revisão

 

Apenas o Começo


Começos são um assunto complexo, cheio de nuances e pequenas dicas. Este artigo pincelou algumas delas, mas haverá outros, terminando o que este começou. Este é um assunto legal agora por causa do NaNoWriMo! Ao redor do mundo, milhares de escritores (incluindo nós!) iniciaram novas histórias semana passada.

 

Como dizemos por aqui, o importante é começar. Escreva seu começo, receba feedback, pondere sobre o que pode melhorar. Quem sabe aquele bom primeiro capítulo de livro não se torna um bom primeiro capítulo da sua carreira?

Seguir Thiago Loriggio:

Nascido em Floripa, graduando em engenharia mecânica (um curso que claramente tem grande foco em contar histórias), criativo inconsolável. Tem poucas coisas que Thiago gosta mais do que bolar alguma coisa, seja ela uma história, um projeto, um jogo, uma biografia para rodapé de site. Quando não está rabiscando no seu caderno quadriculado, anotando ideias, está lendo, jogando algo, ouvindo gêneros conflitantes de música (de The Cribs a Nujabes a Bach numa playlist só), ou percebendo que tem interesses demais. Tem um prazer especial em escrever, analisar coisas, e falar de si na terceira pessoa.Conheça o trabalho dele