Atitudes Que Você Pode Tomar Para Superar o Bloqueio de Escritor

com 1 comentário

Término do parágrafo. Página em branco. Fim das ideias.

 

Como continuar? Se é que você tinha começado…

 

Irrelevante. O que importa não é como você chegou ao bloqueio e sim o que você sente.

 

Os pensamentos sobre a página nua lhe inundam com seu vazio. Você mal reflete sobre as palavras que poderiam preenchê-la, pois sua concentração recai sobre aquilo que ainda não é e nem consegue forma para ser.

 

Seu planejamento de escrever se desfia com os minutos perdidos.

 

É um desespero silencioso. Um vazio arrebatador. Uma frustração desoladora.

 

Mas tá tudo bem. Você não é o único que passa por isso de vez em quando. Para sair dessa, confira as dicas abaixo. 😉

 

Superando o Bloqueio


Antes de tudo, saiba diferenciar o Bloqueio Criativo da Resistência. O problema dessa segunda é muito mais uma questão de foco (saiba mais sobre a Resistência aqui).

 

Uma vez identificado o Bloqueio, tente as dicas abaixo. As primeiras conseguem resolver um bloqueio mais leve, enquanto as últimas são para os mais sérios… você pode tentá-las na ordem que aparecem aqui. 🙂

 

Escreva com intenção:

Saiba o que vai fazer com antecedência, planeje-se, não dê espaço para o vazio se instalar…

 

É que nem organizar o seu dia. Se você quiser ser mais produtivo, comece levantando com intenção. Saiba quais são as tarefas mais importantes e faça-as nas primeiras horas, não dê espaço para a dormência se instalar enquanto você se pergunta “o que eu tenho para fazer agora?”.

 

Isso não é um discurso meramente motivacional. A palavra intenção guarda um significado bem específico: ela vem do latim intensio, que significa algo como “esticar em alguma direção”, quase como um alongamento.

 

Assim como é importante alongar-se antes de fazer exercícios físicos, é importante ter uma intenção definida antes de fazer um exercício mental.

 

Suspenda o julgamento:

Escreva sem se importar com a qualidade das frases, deixe as palavras fluírem sem restrições. Não se preocupe, a edição pode ficar para mais tarde. Acostume-se em escrever uma primeira versão ruim (enxergar que está ruim, já é um passo e tanto para buscar o aperfeiçoamento depois).

 

Essa talvez seja a dica mais simples, só que nem tudo o que é simples é fácil. Para treinar essa suspensão de julgamento, eu me forço às vezes a dar um tempo no que estou escrevendo e coloco para fora palavras aleatórias conforme surgem na minha cabeça (e quanto mais aleatórias forem, melhor é o exercício).

 

Por exemplo:

Eu poderia dizer que essa frase não faz sentido, mas nem deveria fazer, pois esta é uma frase que eu não revisarei, nem editarei, tampouco refleti muito a respeito; simplesmente estou escrevendo o que me passa à mente. E assim o exercício poderia continuar, com palavras aleatórias sendo escritas; às vezes, elas nem sentido precisam fazer como assim eu gostaria de tampar o céu estrelado com azuis de outrora esquecidos…

 

Ok, essa última foi um tanto demais. Modo editor ligado. A intenção é manter os dedos trabalhando e forçar a mente a não parar de pensar, evitando que ela se sinta sufocada pela falta de palavras. Não se preocupe com a disposição das frases, depois você pode apagar/editar o que quiser.

 

Ou, como Stephen King diria: “Escreva bêbado, edite sóbrio”, mas não precisa levar isso ao pé da letra…

 

Escolha uma Writing-Prompt:

Eu não tenho uma boa tradução para esse termo, apesar de já ter encontrado algo equivalente para “propostas de escrita”. Elas são frases curtas que estimulam você a escrever sobre uma dada situação.

 

Quando não saber como continuar o que estiver escrevendo, ponha o trabalho de lado e procure por uma writing-prompt. Então marque dez minutos e comece a desenvolvê-la sem se importar muito com o resultado.

 

Isso deve ser o suficiente para trazer oxigênio de volta aos seus motores criativos. 🙂

 

Você é um(a) astronauta retornando para a Terra. Após cruzar a órbita lunar e enxergar o lar ficando cada vez mais próximo; uma onda de sentimentos o(a) invade…

 

Como o nome sugere, a maioria das fontes trazem exemplos em inglês. Uma pesquisa rápida no google vai apontar para vários sites com propostas interessantes, dentre eles, cito dois grandes aqui:

Writer’s Digest

Reddit/WritingPrompts

Você também pode procurar no pinterest ou por #writingprompts no twitter.

Caso você não domine o inglês, pode dar uma conferida no site Gambiarra Literária. Ele traz 37 exercícios de criação que segue a ideia das writing-prompts.

Gambiarra Literária

 

Aqui no site também fizemos um apanhado com 28 propostas! E postamos novas toda semana nas nossas redes sociais. 😉

 

Libere espaço mental:

Às vezes, o Bloqueio aparece porque estamos preocupados ou estressados demais com as tarefas que ainda precisam ser feitas. Mesmo que queiramos focar na escrita, uma parte de nossa mente permanece nos problemas não resolvidos e se recusa a dar a devida atenção ao processo criativo.

 

Respire fundo e reflita sobre o que está acontecendo aí dentro. Se você é do tipo de pessoa que mantém tudo o que precisa ser feito na cabeça, escreva uma lista e coloque tudo isso pra fora. Planeje o seu tempo. Prove a si que não há nada com que se preocupar, pois tudo vai ter o seu momento para ser feito.

 

Ter um bom sistema de organização pessoal elimina aquela parte chata da mente que insiste em ficar mapeando os afazeres. Faça-a confiar em seus sistema de organização e, boom, você libera um espaço mental extra que talvez nem soubesse que existia. E qualquer espaço mental que puder ser colocado para trabalhar em prol da criatividade é lucro.

 

(Atualmente eu me organizo baseado nas dicas de David Allen em seu livro “A Arte de Fazer Acontecer”).

 

Faça exercícios físicos:

Então você chegou até aqui e ainda não conseguiu vencer o Bloqueio. Você não parece apto a continuar escrevendo seja lá o que for. Tudo bem, aceite seu estado de inaptidão e não se cobre; isso é perfeitamente normal.

 

Dê um descanso para sua mente e coloque seu corpo para trabalhar. Faça um alongamento, pratique Yoga, saia para uma corrida ou vá para a academia. Quando retornar, é bem provável que sinta sua mente mais apta a voltar ao trabalho.

 

Às vezes, só fazer uma atividade que exija coordenação motora serve: lavar louça, passar roupa, tocar violão, construir um castelo de cartas…

 

Saia para uma caminhada:

Eu separei essa dos exercícios físicos porque o foco aqui não tá na caminhada. Saia para contemplar o ambiente, e não para pensar em seus problemas. Leve um caderno e observe a paisagem, os animais, as pessoas; busque a inspiração em sua fonte mais pura: a natureza.

 

Amplie suas referências:

Estimule novas ideias entrando em contato com novas ideias: leia um livro, um artigo interessante, veja um filme. Se o Bloqueio for forte, quanto mais fora de seus padrões você estiver, melhor: escolha um gênero que não esteja acostumado a ler, estude algo que você não tenha ideia de como funcione (o mercado editorial, a bolsa de valores, o motor de um carro…). O propósito aqui é apenas entregar novos ares à sua mente.

 

Saia da sua zona de conforto:

Se for usar a dica anterior fugindo dos seus padrões, já vai estar pisando fora da sua zona de conforto. Mas é bom enfatizar isso.

 

Caso o Bloqueio estiver aparecendo por vários dias seguidos, tente uma saída mais drástica da sua zona conforto (talvez usar “drástica” aqui tenha sido muito drástico).

 

Converse com os idosos em um asilo, ajude as crianças de uma creche, cante em um karaokê, aprenda a tocar gaita, faça uma trilha… se é que você já não faz essas coisas regularmente; enfim, tente algo novo.

 

Pratique o ócio criativo:

Pare e reflita sobre a vida, mas reflita com intenção e não com preocupação. O ócio criativo não é se estirar na rede e não fazer ou pensar em nada.

 

Domenico de Masi define esse conceito como a união entre trabalho, estudo e lazer. Escrever seria o seu trabalho e o estudo viria com a ampliação das referências; o que falta é o lazer.

 

Então se você chegou até esse ponto da lista e não conseguiu vencer o Bloqueio, vá se divertir um pouco! 😉

 

Há mais o que poderia ser dito a respeito do ócio criativo, mas planejo dedicar um artigo inteiro sobre esse tema em um futuro próximo… aguarde.

 

Como se precaver


É bem provável que suas melhores ideias tenham surgido quando você não estava pensando conscientemente sobre elas. É provável, também, que já tenha percebido que sentar para escrever e forçar-se a ter uma ideia genial do nada, não é lá muito produtivo. Talvez já tenha inclusive experimentado aquele sentimento frustrante de ter tido uma boa ideia, mas quando sentou para escrever, ela já tinha se perdido em meio aos seus pensamentos.

 

O nosso inconsciente continua trabalhando nos problemas em aberto enquanto realizamos outros afazeres, mesmo enquanto dormimos. No entanto, as soluções para esses problemas costumam despontar em momentos em que estamos bem relaxados: no banho, antes de dormir, ao acordar… basta entregarmos espaço à mente.

 

Tendo isso em vista, aqui vão duas atitudes para se precaver dos momentos de Bloqueio:

 

Mantenha as ideias registradas:

Tenha todas elas organizadas e anotadas em um lugar que você possa visitar sempre que o Bloqueio aparecer. Pode ser um caderno especial ou um arquivo no computador.

 

Independentemente de onde esteja o seu “arquivo-mãe”, é importante ter algo sempre por perto para fisgar os momentos de inspiração repentina: um bloquinho de papel para manter no bolso, ou um app de notas no celular.

 

Quanto ao app, eu uso o Evernote. Há outros, assim como ele, que sincronizam seus dados entre diferentes plataformas, então você pode usá-lo para ser seu “arquivo-mãe” no computador ao mesmo tempo que escreve novas notas pelo celular…

 

E esse registro não serve só para ideias que brotarem do nada. Anote também aquelas frases inspiradoras que você leu em algum lugar, aquela sacada que você ouviu alguém dizendo ou, se você for um adepto ao app, salve até mesmo aquela imagem que lhe fez refletir.

 

E aí então, quando as ideias lhe abandonarem, faça uma visita aos seus registros.

 

Crie momentos de clareza mental:

Anotar suas ideias já é muito bom, melhor ainda é se você conseguir aumentar a frequência com que elas ocorrem. Se as chances aumentam quando sua mente está relaxada… relaxe-a!

 

É, eu sei, mais fácil falar do que fazer.

 

Um exercício que ajuda bastante é meditar. Não vou fazer uma propaganda muito grande, só digo que pratico e recomendo. Adquirir o hábito de meditar é tão difícil quanto o de escrever, mas é tão recompensador quanto.

 

Caso você se interesse, esse site daqui é um excelente ponto de partida.

 

Considerações Finais


Condições para a criatividade são ficar perplexo; concentrar-se; aceitar o conflito e a tensão; nascer todos os dias; ter um sentido próprio.” — Erich Fromm

 

Independentemente de quão criativo você seja ou de quão bem você consiga se precaver, o Bloqueio irá pegá-lo algum dia. Todos que exercem uma atividade criativa passam por isso. Não se cobre em excesso e aceite esse estado. Tome uma nova postura. Renove seus pensamentos. E volte à escrita tão logo seja possível.

 

E você? Tem algum método para lidar com Bloqueio que não foi citado aqui?

Redes Sociais:

Natural de Floripa e, curioso pelos mistérios da natureza, acabou se formando em engenharia mecânica, sem nunca deixar de rabiscar suas histórias. Desenha com mais vontade do que habilidade, faz trilhas esporadicamente, curte um bom rock clássico e toca violão para as paredes. Adepto ao minimalismo ainda com tralhas a serem jogadas fora na próxima mudança. Jogador de RPG de mesa quando possível, mas se contenta sendo o narrador. Aos fins de semana, também gosta de levantar debates filosóficos sofistas. Blog Pessoal

Uma resposta

  1. Kenady Araujo
    | Responder

    Carakas, nem sei se essa palavra existe, mas o artigo merece algo sobrenatural como elogio. Um ótimo conteúdo Kaio, vou acompanhar o blog com mais frequência. Sou escritor também e tenho que aprender muito mais!

Deixe uma resposta